Convenções dos partidos ganham holofotes inéditos com dúvidas sobre alianças

Publicado em 20/07/2018 às 10h33

FONTE: EL PAÍS

Convenções dos partidos ganham holofotes inéditos com dúvidas sobre alianças

PDT, de Ciro, dá início nesta sexta ao ciclo de encontros que oficializam presidenciáveis. Apoio de partidos de centro direita, decisivos para tempo de propaganda em TV, pendem para Alckmin

O pré-candidato Ciro Gomes (PDT).
O pré-candidato Ciro Gomes (PDT). ANDRÉ CARVALHO CNI
Brasília  

Faltam menos de três meses para que os brasileiros escolham seu próximo presidente, mas as imagens que aparecerão nas urnas no próximo dia 7 de outubro ainda são um mistério, assim como as alianças que sustentarão esses candidatos. A eleição mais enigmática das últimas décadas promoveu uma situação incomum no mundo da política: as geralmente protocolares convençõespartidárias, onde tais escolhas são feitas, se tornaram, neste ano, algo a se acompanhar de perto. O PDT, de Ciro Gomes, inicia a maratona, nesta sexta-feira, em Brasília. Seu nome é um dos já considerados certos, o que explica que a legenda seja uma das primeiras a realizar sua discussão. 

As convenções são um instrumento previsto na legislação que devem ocorrer, obrigatoriamente, entre 20 de julho e 5 de agosto do ano eleitoral. Elas reúnem os filiados dos partidos políticos para um processo de discussão do nome a ser lançado e das legendas que farão parte da chapa, as chamadas coligações. Nas eleições anteriores, as convenções eram apenas um momento para se bater o martelo sobre decisões já tomadas. E, se nem todos os acordos já haviam sido selados no momento em que os filiados se reuniam, a maioria deles já era praticamente certa. 

Nas eleições deste ano, diversos fatores dificultam essa definição. Um deles é a decisão do PT em insistir na improvável candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pode ser impugnada após sua condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Presa em Curitiba, a liderança petista continua dando as cartas sobre os rumos do partido e a ideia é que ele seja mantido como o nome da disputa até o último momento, para então tentar transferir votos para seu eventual substituto. Há ainda a dificuldade em se firmar acordos regionais. Às vezes, uma legenda condiciona o apoio nacional a alianças prévias em determinados Estados. Nem sempre esse acordo prospera, já que envolve dezenas de políticos que agem como verdadeiros coronéis em seus redutos eleitorais. O outro fator que ajuda a manter o cenário de indecisões é a incerteza sobre os rumos do centrão, o grupo de partidos de centro-direita que costuma se aliar de forma pragmática com as legendas que podem oferecer mais vantagens.

conglomerado de siglas sem ideologia pré-definidalançou diversas candidaturas, mas, como não viu nenhuma delas decolar, agora parece um pêndulo, que balança para o lado de Ciro Gomes (PDT) e depois para o de Geraldo Alckmin (PSDB). O tucano ganhou mais força nesta semana, depois que o PR decidiu ingressar no grupo. Por fim, ainda não se sabe também o real tamanho de Jair Bolsonaro, que lidera as pesquisas na ausência de Lula, mas não consegue convencer um partido que indique a ele um vice. Há os que apostem que o militar reformado já teria atingido seu teto e, com tempo de TV inferior aos 10 segundos diários, a tendência é que comece a despencar nas pesquisas.

Para especialistas consultados pela reportagem, as convenções que se iniciam nesta semana possivelmente deixarão em aberto a questão das coligações. “Os convencionais de cada partido podem escolher o seu candidato à presidência e delegar os poderes às executivas nacionais para definirem o arco de alianças”, explicou o advogado Cristiano Vilela, especialista em direito eleitoral. Executiva nacional é o órgão de cada partido que reúne apenas os seus principais dirigentes, os caciques. “Essas convenções serão como um casamento em que cada um diz sim em um dia. Um deles fala no dia 20 de julho e o outro, no dia 5 de agosto.”

Por conta dessa série de dificuldades, os principais concorrentes ao Planalto deixaram suas convenções para o fim do prazo previsto na legislação. Apenas os que já têm certeza da candidatura farão os encontros no início. Entre eles estão além do PDT, de Ciro, o PSC, de Paulo Rabelo de Castro (ambos no dia 20), o PSOL, de Guilherme Boulos (no dia 21), e o PSL de Bolsonaro (no dia 22). No entanto, com exceção de Boulos, com Sonia Guajajara, nenhum dos outros três tem candidatos a vice. Muito menos coligações definidas.

Alckmin durante evento em Brasília, no dia 18.
Alckmin durante evento em Brasília, no dia 18. ERALDO PERES AP
Quem tem mais pressa e aparenta estar mais preocupado com a situação é Bolsonaro. Depois de ouvir dois nãos seguidos, ainda que extraoficiais, o deputado federal e militar da reserva tenta encontrar algum político que esteja disposto a aparecer ao seu lado nos santinhos e nos palanques eleitorais pelo país. Não basta apenas este político querer, é necessário que o seu partido também o queira. As dificuldades em fechar acordos com o PR, do senador Magno Malta, jogou o general da reserva Augusto Heleno (PRP) em seu colo como candidato. Mas, apesar de Heleno se apresentar para a batalha, foi a sua sigla que não quis se coligar com Bolsonaro. Já Ciro Gomes tem recebido sinalizações positivas de partidos como PCdoB e PSB. Nada efetivado, ainda. 

Até meados desta semana, era dada como quase certa a coligação de Ciro com os partidos do centrão, PP, SD, DEM e PRB. Mas, depois que o PR desistiu de Bolsonaro e ingressou no grupo oferecendo o empresário Josué Gomes (PR-MG) como vice, ganhou força o apoio a Alckmin. O grupo entende que a o tucano teria mais condições de cumprir os acordos firmados na campanha do que Ciro. Além disso, entendem que o tucano é mais próximo a eles no quesito política econômica.

Outra legenda que, apesar de ser o maior partido do Brasil, ainda segue irrelevante em âmbito federal, já que seu candidato à presidência patina nas pesquisas, é o MDB. Rachado, como costuma ser, o partido do presidente Michel Temer carrega em si a impopularidade do mandatário. O presidente da sigla, o senador Romero Jucá, lançou o nome do ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, mas lideranças como os senadores Renan Calheiros (Alagoas) e Roberto Requião (Paraná) se negam a se juntarem a essa campanha. Tentam minar a candidatura Meirelles em prol de acordos regionais. Com eles, levam dezenas de lideranças. Se a candidatura própria não vingar, a tendência é que o MDB se omita de alianças nacionais. Para tentar aparar essas arestas nos próximos dez dias e ouvir suas bases, os medebistas jogaram a data de sua convenção para 2 de agosto. No mesmo dia, o PP e o DEM oficializarão seus apoios.

No dia 4 de agosto, véspera do prazo final ainda ocorrerão as convenções do Podemos, de Álvaro Dias, da REDE,de Marina Silva, do PSDB, de Geraldo Alckmin, e do NOVO, de João Amoêdo. A maioria das outras siglas ainda não definiram as datas das convenções.

https://brasil.elpais.com/brasil/2018/07/19/politica/1531965572_706757.html 

voltar para Notícias

left show fwR tsN bsd b02s|left tsN show fwB bsd b02s|left show tsN fwB normalcase|bnull||image-wrap|news fwB fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN fsN|b01 c05 bsd|login news fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN c15 bsd b01|normalcase tsN|content-inner||