Escritórios de advocacia usam tecnologia para reduzir custos e volume de ações

Publicado em 27/12/2018 às 11h21

FONTE: CONSULTOR JURÍDICO

 

FERRAMENTAS DE GESTÃO

Escritórios de advocacia usam tecnologia para reduzir custos e volume de ações

Por Tadeu Rover

Em tempos de aplicativos, em que quase tudo está à disposição num toque no smartphone, tem sido cada vez mais crescente o uso de plataformas tecnológicas para negociação e conciliação em processos judiciais. Desenvolvidas pelas chamadas lawtechs (empresas de tecnologia voltadas para serviços jurídicos), essas plataformas visam resolver disputas judiciais de modo alternativo, por meio de negociações pela internet, conceito definido nos Estados Unidos como ODR (Online Dispute Resolution).

O Conselho Nacional de Justiça contabiliza mais de 100 milhões de processos judiciais no país. O objetivo dessas novas tecnologias é ajudar a reduzir esse estoque, especialmente das empresas que comercializam produtos e serviços de consumo, que têm volumes gigantescos de ações.

Escritórios de advocacia especializados em gestão de processos judiciais estão contratando ou fazendo parcerias com lawtechs para utilizar as plataformas de negócio como instrumento de negociação e solução amigável das demandas. O escritório Viseu Advogados, por exemplo, que defende mais de 100 empresas perante seus consumidores, utiliza a plataforma Melhor Acordo — uma startup focada em acordos judiciais via internet.

Gustavo Viseu, sócio administrador do escritório, relata que a “plataforma tem resultado em redução das carteiras, com redução de 30% a 50% do gastos e do tempo de vida útil dos processos”.

Viseu explica que essas novas soluções são disruptivas, mudando a forma tradicional de o advogado negociar. “Todo mundo ganha, a empresa economiza e o consumidor fica satisfeito com uma solução rápida do seu problema.”

O CEO da Melhor Acordo, Victor Aracaty, afirma que as estatísticas são muito favoráveis, e a redução de despesas, visíveis. “Atualmente, estamos conseguindo reduzir em até 75% as despesas processuais. Dos casos contactados, nos quais os autores acessaram a plataforma, estamos tendo uma taxa de acordo de até 52%. Com esses resultados, conseguimos reduzir, significativamente, as despesas e a vida útil de cada processo.”

Atuação sob medida
O escritório Fragata e Antunes Advogados também utiliza a tecnologia para aprimorar seu serviço. Especializado em relações de consumo, a banca garante que a tecnologia é definitiva para reduzir os custos, além de permitir uma atuação sob medida para cada cliente.

Mariana Barros, sócia do escritório, explica que a banca utiliza um software que permite o encaminhamento correto do processo desde sua entrada. Logo que é cadastrado, a ferramenta de gestão faz uma triagem coloca o processo na esteira correta, separando os casos que vão para a conciliação daqueles que vão para a defesa. Na sequência, o programa já envia uma alerta para o responsável, seja ele advogado ou negociador.

A ferramenta permite ainda armazenar todo o histórico do caso e identificar os temas ligados a ele, reduzindo a possibilidade de falhas. Além disso, permite uma medição da performance, de acordo com metas estabelecidas para cada cliente.

Segundo Mariana Barros, com a tecnologia auxiliando, o número de acordos é de 50% de êxito. Para 2019, a expectativa é aumentar a performance, reduzindo os custos em 20%.

Sistema próprio
No Rocha, Marinho e Sales Advogados o interesse por esse tipo de software fez com que a banca criasse um núcleo de tecnologia, que desenvolve um sistema próprio para o escritório de acordo com a necessidade.

Além disso, o escritório criou um núcleo de composição amigável, voltado para ações passivas. "O acordo é hoje um tema muito relevante, além de desafogar o Judiciário, também promove a satisfação das partes com uma resolução rápida", afirma Lais Lyra, responsável pela célula de negociações da banca.

O sucesso do núcleo é comprovado em números. Segundo a advogada, só neste ano o núcleo aumentou em quase 1.000% o número de pessoas. A busca por acordos também é um alívio para os advogados, que podem se concentrar nas causas nas quais o método consensual não foi possível.

A tecnologia desenvolvida no escritório permite uma gestão completa, desde a produtividade dos operadores até descobrir quais os melhores horários para tentar a negociação e identificar qual operador tem mais facilidade com cada cliente. "A tecnologia nos permite garantir os melhores resultados e manter um padrão de excelência", garante.

"Quando a gente usa esse tipo de tecnologia, tende a ser tudo mais rápido, já que ficam as informações todas registradas. Mesmo com o passar do tempo elas não se perdem. Se fica na possibilidade de um advogado fazer o acordo, como mais uma de suas várias atribuições, isso pode ser perder", explica.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de dezembro de 2018, 7h28

https://www.conjur.com.br/2018-dez-27/bancas-usam-tecnologia-reduzir-custos-volume-processos 

voltar para Notícias

left show fwR tsN bsd b02s|left tsN show fwB bsd b02s|left show tsN fwB normalcase|bnull||image-wrap|news fwB fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN fsN|b01 c05 bsd|login news fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN c15 bsd b01|normalcase tsN|content-inner||