Supremo discute imunidade tributária para e-books

Publicado em 27/09/2016 às 17h17

FONTE: RÁDIO NACIONAL DE BRASÍLIA (EBC)

 

Supremo discute imunidade tributária para e-books

Julgamento em plenário deve ser na próxima quinta-feira (29)

 
E-Book, CR-Room, Livro Eletrônico
E-Book, CR-Room, Livro Eletrônico Jacoplane/Marta Cañizares/Flickr/CC


Revista Brasil desta terça-feira (27) convida o advogado com especialização em Direito Tributário, Eduardo Lourenço Gregório Júnior, para explicar o fundamento que existe na Constituição sobre a não cobrança de impostos sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão. A ação no Supremo Tribunal Federal (STF) é patrocinada por uma empresa contra o estado do Rio de Janeiro.

 
Segundo o advogado, apesar desta previsão constitucional sobre a isenção do livro para o pagamento de impostos, muitos entendem que apenas o livro em papel seria imune à tributação de impostos. Então o  Supremo vai julgar qual a abrangência dessa imunidade constitucional. Ou seja, se o livro eletrônico: e-book ou CD-Room está abrangido ou não pela imunidade.
 
Ele defende que, partindo da premissa que o conceito de livro começou na década de 60, quando a Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura(Unesco) definiu que livro é nada mais nada menos do que um impresso, com 49 páginas, excluindo as capas é um conceito antigo. Por isto, temos que levar em consideração que o termo livro lá expresso sofreu evolução e essa evolução deve ser levada em consideração pelo STF. Essa é a primeira premissa.

 
Saiba mais sobre o assunto no player acima.

Produtor
Joana Darc Lima

voltar para Notícias

left show fwR tsN bsd b02s|left tsN show fwB bsd b02s|left show tsN fwB normalcase|bnull||image-wrap|news fwB fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN fsN|b01 c05 bsd|login news fwR normalcase tsN|fwR normalcase tsN c15 bsd b01|normalcase tsN|content-inner||